Escolha uma Página
Guia auxilia patrocinadoras na elaboração de programas de preparação para aposentadoria de suas equipes

Guia auxilia patrocinadoras na elaboração de programas de preparação para aposentadoria de suas equipes

Foi lançado nesta quarta-feira, 21 de outubro, o Programa de Preparação para Aposentadoria, um Guia elaborado pela Comissão Técnica Centro-Norte de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp. O Guia é direcionado aos RHs e lideranças das EFPC e suas patrocinadoras, e já havia sido divulgado no Encontro de Estratégias e Criação de Valor, sendo oficialmente lançado durante a live, transmitida pelo canal da Abrapp no YouTube e moderada pela coordenadora-suplente da comissão, Paolla Dantas.

Luís Ricardo Martins, Diretor Presidente da Abrapp, destacou que dentro do atual momento de reinvenção, a comunicação e, mais do que nunca, estratégia e criação de valor são fundamentais. “Temos no Guia um conjunto de ideias trazidas por técnicos para reflexão sobre um comportamento pós-período laboral baseado em casos práticos”, destacou. “Se inicia, nesse projeto, um grande auxílio para a montagem do programa de preparação para aposentadoria. E essa preparação precisa começar no início da fase laboral”, reforçou Luís Ricardo.

Rodrigo Sisnandes Pereira, Diretor Executivo e responsável pelo Colégio de Coordenadores de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp, destacou que a preparação para aposentadoria está relacionada à longevidade. “Tudo depende da nossa preparação para uma jornada de vida com sustentabilidade. Precisamos trazer essa discussão para o nosso segmento; o conceito de sustentabilidade definido pela ONU é a capacidade de suprir as necessidades da geração atual sem comprometer as necessidades da geração futura, e isso deve ser discutido por nós”, disse. “Precisamos nos preparar para uma idade com aposentadoria com qualidade de vida. Estamos vivendo bem mais, isso é muito bom e tem que ser uma boa notícia para todo mundo” disse.

Programa de Preparação para Aposentadoria – Durante a live, Luciana Ribeiro, Coordenadora da Comissão Centro-Norte de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp, explicou que o Guia tem como objetivo ser uma referência na elaboração de um programa de aposentadoria dentro das empresas, e foi elaborado com base no ciclo de vida do empregado, segregando ainda o momento de vida que cada pessoa está passando. “A pessoa que entra na empresa agora está em um momento diferente da pessoa que está na empresa há mais tempo”, disse Luciana, reiterando que a partir dessa separação foram criadas personas. “Isso ajuda a segregar as ações no momento que executamos os programas”.

Os três pilares trabalhados no guia são: relacionamento e emoções; saúde e bem-estar; e educação financeira. “Além disso, o Guia apresenta um conjunto de ações executáveis para que as patrocinadoras coloquem em prática, podemos ser adaptadas considerando um novo cenário em que as empresas estão atuando mais em home office”, reiterou Luciana Ribeiro.

Relacionamento, saúde e bem-estar – Andrea Tomasini membro da comissão e Gerente de Relacionamento com o Cliente na Fundação Ceres, explicou o tema de relacionamento e emoções, um dos tópicos abordados no Guia. Segundo ela, entre os desafios das empresas no tratamento de seus colaboradores atualmente está o relacionamento. “Diante de tantas mudanças do novo normal, quais a estratégias que podem ser adotadas pelas empresas para cultivar esse aspecto tão importante no ambiente profissional?”, questionou. Assim, o Guia aborda os aspectos da saúde mental física e financeira, agrupando as experiências da entidades de previdência da Regional Centro-Norte em ações de psicologia; desenvolvimento de projetos relacionados ao tema família; sobrenome corporativo; e ninho vazio.

Das ações propostas pelo Guia, Andrea explicou que algumas podem ser compartilhadas com todas as pessoas, mas há outras que são específicas para cada uma das personas, apresentando ainda cada uma das persons traçadas no programa. “Esse Guia é recomendado para pessoas que ajudam quem quer se planejar atuando como protagonistas para chegar bem no futuro. Não podemos desperdiçar essa oportunidade de viver bem por muitos anos”, ressaltou.

Marco Aurélio Weyne, membro da comissão e Gerente de Comunicação e Relacionamento do Postalis, apresentou a parte do Guia que trata de bem-estar na aposentadoria. “Nossa ideia é subsidiar e trazer novas ideias para que as áreas das empresas se sensibilizem para essa questão tão importante da preparação para aposentadoria de suas equipes”, disse. “O bem-estar, na nossa proposta, está focado na questão da aposentadoria, mas a ideia é que as empresas tenham um foco nesse tema como uma cultura de conscientização dos seus funcionários”, disse.

O tópico aborda, entre outras coisas, a questão da nutrição, atividades físicas, relacionamentos interpessoais, controle de estresse, etc. “Chamamos atenção ainda para a construção dessa cultura de se buscar, através de ações, a conscientização de suas equipes na questão do bem-estar”, explicou Marco Aurélio. “O Guia mostra que isso pode ser evidenciado pelas equipes de RH das companhias às suas equipes”, reiterou.

Educação financeira e previdenciária – Luciana Ceylão, membro da comissão e Coordenadora Administrativa da Fundação Regius, abordou a parte de educação financeira e previdenciária do Guia. “É fundamental a gente fomentar a cultura previdenciária e ajudar os colaboradores e patrocinadores, junto às suas equipes de RH, a estruturarem um programa como esse”, ressaltou. “Temos a premissa de preparar os funcionários desde o momento que eles chegam na empresa, visando a proteção social do empregado”.

Segundo Luciana Ceylão, a educação financeira e previdenciária é fundamental para levar os planos aos participantes junto às patrocinadoras e instituidoras. “O Guia traz algumas ações para mostrar ao empregado que, com planejamento e organização, é possível ele garantir uma renda adicional no futuro, e a preparação para aposentadoria é uma questão essencial para o planejamento familiar”. Luciana Ceylão reiterou que esse é um investimento de longo prazo e deve ser cuidado o quanto antes, proporcionando a segurança financeira necessária para uma aposentadoria tranquila.

Ela disse ainda que a ideia é que patrocinadores e instituidores desenvolvam planos ao longo da carreira dos profissionais, reciclando esse conhecimento. “Precisamos criar essa conscientização. Planejamento e esforço aliado ao trabalho é o caminho mais curto para se ter sucesso financeiro”, afirmou Luciana Ceylão, explicando as vantagens da previdência complementar nesse caminho, entre elas a formação de poupança com segurança, garantindo, na inatividade, um padrão de vida muito próximo ao da vida laboral.

Luciana reiterou que para as empresas, um plano de previdência é um benefício oferecido ao seu empregado. “Isso tem que estar, de alguma forma, dentro das ações de treinamento e de desenvolvimento dos empregados”, disse, reforçando que esse benefício ajuda na relação entre empregado e empresa, se tornando um diferencial e permitindo complementar renda. Para auxiliar nesse sentido, o programa separou sugestões de ações especificamente na área de educação financeira e previdenciária para cada persona traçada no Guia.

Novo olhar – Marisa Santoro Bravi, Secretária Executiva da CT Estratégias e Criação de Valor, reiterou que o Guia proporciona um novo e diferenciado olhar para o aprimoramento dos programas de preparação para aposentadoria. “Passamos a ver a necessidade do empregado em cada fase de sua vida, ajudando a promover o despertar para que ele possa construir seu futuro”, disse.

Segundo Marisa, o momento atual, de desafios e mudanças nas entidades, patrocinadoras e instituidoras, reforça a necessidade das pessoas. “Para abraçar esses desafios, o que move a roda para que a engrenagem ande são as pessoas”, ressaltou. “Esse evento propõe que cada um de nós realmente passe pela vida fazendo a diferença”, complementou Marisa.

Acesse o Guia por meio do QR Code abaixo:

Artigo: Educação financeira e previdenciária, sempre é hora de aprender! – Por *Danielle Cristine da Silva

Artigo: Educação financeira e previdenciária, sempre é hora de aprender! – Por *Danielle Cristine da Silva

Com muita frequência escuto frases do tipo: “o meu salário não sobra pra nada”, “vou ter que renegociar a fatura do meu cartão de crédito”, “tô farto de tanto boleto para pagar”, “não sei mais para quem pedir empréstimo”, e por aí vai. São tantas as lamúrias e dificuldades de algumas pessoas, que me obrigo a parar para escrever sobre o assunto.

A primeira reflexão que faço é a seguinte: crianças que vêm de famílias onde educação financeira é um assunto que se conversa em casa, são criadas com um diferencial que vai impactar favoravelmente em suas trajetórias. Comigo foi assim. Desde os meus primeiros anos de vida fui ensinada a olhar para o dinheiro como algo verdadeiramente “importante”. E hoje, agradeço a minha mãe por tão valoroso ensinamento. Ainda na infância, desejosa por uma Barbie, ganhava apenas as bonecas Susi, pois eram de preço inferior à famosa Barbie e, com isso, ia sendo ensinada que com a economia na compra, mais poderia sobrar para quando precisássemos para algo muito mais importante na família. Um pouco mais crescidinha, era orientada a ir ao mercado e procurar sempre o menor preço, pois assim minha mãe ia colocando no meu imaginário que, se eu poupasse, mais perto estaria das minhas tão sonhadas férias na praia, que era o que eu mais almejava naquele momento. A chegada da fada dos dentes, aquela que deixava dinheiro embaixo do travesseiro, era repetidamente usada com o viés de guardarmos aquele montão de cédulas para engordar o cofrinho e, no futuro, quebrá-lo para comprar um brinquedo bacana, ao invés do consumo imediato com picolés e balas. E assim, desde cedo fui aprendendo que o futuro confortável depende sempre de uma renúncia atual.

Outra reflexão: finanças não é matemática, é comportamento! Se você não aprendeu isto de casa, sempre é hora de aprender. Até a chegada da pandemia trazida pelo coronavírus, estávamos todos mergulhados num modelo de sociedade centrada no consumo. Um consumo que, gradativamente, se automatizou em nosso cotidiano e em nossa forma de vivermos juntos, uns com os outros. Por quantas vezes fomos conduzidos para uma compra que nem mesmo precisávamos verdadeiramente fazer? Ou que facilmente poderia ser substituída por algo que já tivéssemos ou que poderia ser reaproveitado? Você já refletiu sobre isto? Já fez as contas para ver financeiramente o quanto já gastou sem a menor necessidade? E o quanto aqueles gastos, desnecessários e dispensáveis, acabaram impedindo você de investir em qualidade de vida, como por exemplo ter um plano de saúde? Sem contar o imprevisto de uma demissão e você não ter nenhuma reserva financeira para fazer frente às necessidades de sua família. Por isso que digo que finanças é comportamento: o comportamento diário de pensar e refletir que aquilo que fazemos hoje é o resultado do amanhã.

E a terceira e última reflexão: Quanto mais cedo você começar a poupar, maior será a sua reserva financeira no futuro! Agora aquela perguntinha básica pra tirar você da sua zona de conforto: Já mudou ou vai mudar os seus hábitos de consumo? A pandemia está forçando você a entender isso? Escolha os legados positivos da crise que estamos vivendo e passe a aplicá-los em sua “nova vida”. É hora de qualificar os seus gastos. Investir em um plano de previdência complementar é uma boa forma de fazer isto. Poupar se tornou uma imposição, faça isso agora. Você muda hoje. E a sua aposentadoria agradece.

*Danielle Cristine da Silva é servidora pública do Estado do RS e Diretora-Presidente da Fundação RS-Prev

(As opiniões e conceitos emitidos no texto acima não refletem, necessariamente, o posicionamento do 
Grupo Abrapp a respeito do tema, sendo seu conteúdo de
 responsabilidade do autor)

Criação de Valor: Pílulas de conhecimento do combate a fake news à educação financeira

Criação de Valor: Pílulas de conhecimento do combate a fake news à educação financeira

O “Momento Insights – Talks de Valor” abriu o segundo dia do 2º Encontro Nacional de Estratégias e Criação de Valor nesta sexta-feira (02). O evento, iniciado em 1º de outubro, reuniu mais de 450 pessoas no centro de eventos digital da Abrapp.

Diversos especialistas compartilharam pílulas de conhecimento sobre temas como fake news, trabalho na maturidade, experiência do cliente, Resolução CNPC 32/2019, perfil do investidor e educação financeira. Os insights foram mediados por Ana Paula Peralta, Superintendente de Relacionamento e Educação da Abrapp.

O fenômeno das fake news – A estrategista de marketing e professora da ESPM e PUC-GO, Alline Jajah Franco, explicou como a disseminação de informações falsas, principalmente nas redes sociais, é potencializada pela coleta de dados sobre os usuários e o modelo pré-pago de publicidade online. O indivíduo tem papel importante para combater esse fenômeno, buscando ter discernimento sobre a origem da informação que recebe e verificar diferentes fontes, antes de compartilhar.

A solução para esse problema, apontou Alline, passa por pilares como a regulação governamental, a responsabilização das empresas e inundar as redes com a verdade, conscientizando o público sobre esse fenômeno. O conselho da especialista para as EFPCs é abordar o tema com frequência em seus canais e explicar como funciona o atendimento feito aos participantes. “Quanto mais se fala sobre isso, mais credibilidade e segurança essa comunicação gera para o cliente”.

Desmistificando a maturidade – Mórris Litvak, fundador e CEO da MaturiJobs, destacou que vivemos a revolução da longevidade. A população acima de 50 anos vai dobrar no mundo e quase triplicar no Brasil. Até 2025, o país será o sexto maior em número de idosos. Até 2040, a força de trabalho será formada em 50% por pessoas acima de 50 anos. Contudo, apesar de sua crescente importância econômica e social, essa faixa etária ainda está praticamente invisível para o mercado de trabalho, em função do preconceito etário.

Ciente desse potencial, a Maturi começou há cinco anos com a proposta de fazer a ponte entre esses profissionais e as empresas, tendo contribuído para mais de 2 mil recolocações no mercado de trabalho. A organização conta também com uma plataforma de educação, para auxiliar esse público não só a conseguir uma vaga, mas também empreender. “A forma de trabalho está mudando. O emprego tradicional existirá cada vez menos. Mas não ter emprego não significa não ter trabalho; muito pelo contrário, existem novos formatos: empreendedorismo, autônomo, consultoria, economia compartilhada”, destacou Mórris, ressaltando que as EFPCs podem abraçar essa causa, sensibilizando suas equipes e lideranças para o combate ao preconceito etário.

Success Experience – Roberto Madruga, CEO e Fundador do ConQuist Labs, apresentou essa estratégia, que é baseada nas metodologias de customer success e customer experience. Esse trabalho engloba a revisão de processos, tecnologia, produtos e modelagem da cultura, para que todos os colaboradores da entidade estejam engajados em gerar emoções positivas para os clientes. E, assim, torná-los mais que pessoas satisfeitas, mas verdadeiros promotores da marca. Estudos da Universidade de Harvard comprovam que clientes felizes e conectados são consumidores muito mais fiéis e frequentes.

“Na previdência privada, você tem um relacionamento constante com o cliente na medida em que ele faz o pagamento da fatura. Mas se ele apenas paga a fatura, e terá o benefício daqui a 30 anos, há algo errado nessa relação. A boa experiência não pode ser gerada só quando ele for obter o benefício”, destacou Madruga, aconselhando as EFPCs a pensarem em agregar produtos e serviços que gerem bons motivos para a comunicação mais frequente com seus participantes.

Raio X do Investidor Brasileiro – Ana Leoni, Superintendente de Educação Financeira e Market Data da Anbima, apresentou o resultado da pesquisa realizada em 2019. Foram ouvidas quase 3.500 pessoas, em 149 municípios brasileiros, envolvendo as classes A, B e C. O levantamento mostrou que apenas 38% da população conseguiu fazer algum investimento em 2019, e desse total apenas 10% investiram em produtos financeiros.

Leoni chamou atenção para o fato de que 28% da população acredita que os investimentos trarão alguma tranquilidade financeira no futuro, mas apenas 9% investiram pensando na velhice ou aposentadoria. Ela destacou que, apesar dos debates gerados pela Reforma da Previdência em 2019, 51% ainda creem que a renda de sua aposentadoria virá pelo INSS. Frente a esse desafio, a Superintendente reforçou a importância das estratégias de educação financeira feitas pelas EFPC: “É preciso investir em relacionamento. Entender as necessidades de cada pessoa de forma individualizada, prestando a informação relevante para sua tomada de decisão, de forma clara, acessível e ética”.

​Resolução CNPC 32/2019 – O Diretor de Fiscalização e Monitoramento da Previc, Carlos Marne Dias Alves, destacou que a norma visa maior engajamento e transparência das informações prestadas aos participantes. Com maior parte de sua vigência a partir de 31 de dezembro deste ano, a Resolução atualizou a CGPC 23/2006, e teve como balizadores outros dois importantes normativos: a Lei de Acesso à Informação e a Lei Geral de Proteção de Dados.

Carlos Marne ressaltou dois principais pontos da norma: o estímulo à divulgação da informação pela EFPC de forma ativa e passiva. Ele destacou a importância da divulgação de informações de forma ativa, ou espontânea, com incentivo ao uso de meios eletrônicos, como site próprio, sem descartar redes sociais e outros canais. Ele acrescentou que a grande maioria das entidades já está adiantada em relação à própria Resolução CNPC 32, prestando o máximo de informações possíveis. “Os participantes estão ávidos por informações. Nosso negócio depende de educação previdenciária e transparência. Quando mais dados abertos colocamos no site, de forma acessível, mais valor agregamos”.

​Cidadania financeira – Fechando as talks do evento, Katharinny Bione, Presidente da ONG Meu Propósito, destacou o inspirador trabalho da organização, empenhada em levar educação financeira de forma gratuita e acessível para a população mais vulnerável. Segundo levantamento da OCDE, realizado em 2017, o Brasil é um dos países cujos povos possuem menor nível de conhecimento e aplicação da educação financeira no mundo.

A ONG, sediada em Recife (PE), trabalha para que a população da classe D não só tenha acesso a esse tipo de formação básica, como também a evolua para o conceito de “cidadania financeira”. “O objetivo da cidadania financeira é promover o grau de consciência de direitos e deveres e autonomia na tomada de decisão. A partir daí, subimos um novo patamar e criamos a cultura financeira, quando a cidadania financeira é replicável”.

Para financiar os projetos sociais, a ONG presta serviços de educação financeira para entidades e empresas, ajudando a estruturar estratégias e ações. Entidades como Capef e Celpos são parceiras da organização. Apenas em 2019, a Meu Propósito realizou 47 ações, beneficiando 788 pessoas, com 3.984 horas de serviço voluntário e 129 horas de mentoria financeira para negócios de impacto.

Continue acompanhando a cobertura do evento no Blog Abrapp em Foco. O 2º Encontro Nacional de Estratégias e Criação de Valor tem o Patrocínio Ouro de Base Viral, MAG, mLabs e Startse; e Patrocínio Prata da Maturi.

Comissão de Estratégias e Criação de Valor lança guias durante Encontro

Comissão de Estratégias e Criação de Valor lança guias durante Encontro

No momento ​Insights – Trocar Para Somar do 2º Encontro Nacional de Estratégias e Criação de Valor, foram apresentados os trabalhos de três bases regionais da Comissão de Estratégias e Criação de Valor, com temas relevante para se auxiliar na preparação para a aposentadoria, abordando a educação financeira e previdenciária e boas práticas diante desse tema. Dois guias foram lançados e um projeto em andamento foi apresentado durante o Encontro, iniciado nesta quinta-feira, 1º de outubro, com realização da Abrapp e apoio institucional do Sindapp, ICSS, UniAbrapp, e Conecta. Com um público on-line de 500 pessoas, o evento foi organizado com apoio do Colégio de Coordenadores de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp. Confira aqui a abertura do evento.

Programa de Preparação para Aposentadoria

Luciana Ribeiro, Coordenadora da Comissão Centro-Norte de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp, apresentou o Programa de Preparação para Aposentadoria, construído na época em que Lucas Nóbrega era responsável pela comissão, com auxílio ainda de Marisa Santoro Bravi, Secretária Executiva da CT Estratégias e Criação de Valor. O programa surgiu de um workshop criado em 2018 pela comissão, que teve um retorno positivo. Posteriormente, a ideia foi criar um guia de preparação para aposentadoria para distribuir entre entidades e patrocinadoras. “Se a patrocinadora não se engajar e não tomar iniciativa, certamente o programa nao vai pra frente, e com a experiência do grupo, vimos que podem ser feitas ações pontuais com foco em diferentes públicos”.

O programa congrega conjuntos de sugestões para que a própria patrocinadora faça um programa de aposentadoria de acordo com seu cenário e público. “Assim, para poder iniciar esse trabalho, foi feita uma pesquisa para que fosse possível traçar as personas para que se consiga fazer ações personalizadas. No programa, foram traçados quatro perfis: 25 anos, 35 anos, 45 anos e 55 anos”, disse Luciana. Depois, foram segregadas as ações em três diretrizes. “As entidades focam muito na educação financeira e previdenciária, mas esse é apenas um pilar de preparação para aposentadoria. É preciso planejar esses gastos futuros”.

Por isso, o primeiro pilar é o de relacionamento, onde é abordado psicologia, família, sobrenome corporativo e ninho vazio. O próximo pilar é o bem-estar, onde são abordadas questões relacionadas à saúde, alimentação, possibilidade de atuação, cultura e lazer. Por último, entra o pilar da educação financeira e previdenciária, visando disciplina para prover mais qualidade de vida na aposentadoria. “Precisamos fazer com que a patrocinadora compre a ideia de ter um programa de preparação para aposentadoria”, finalizou Luciana.

O guia será lançado no dia 21 de outubro, às 15h, por meio de webinar a ser divulgado.

​​Futuros Poupadores

Laura Jane B. De Lima, Coordenadora da Comissão Nordeste de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp, apresentou o Guia de Educação Financeira Futuros Poupadores, que aborda a questão da educação para o adolescente e para a criança, convidando o adulto a educá-los.Ela destacou que no Brasil ainda há muito para evoluir na questão da educação financeira e isso se reflete necessariamente na questão da poupança da população. “As pessoas, por não terem educação financeira, também não investem em economizar para o futuro, ver e guardar um pouco para se usar no ciclo de vida”, disse Laura.

Segundo ela, o principal argumento das pessoas para não economizarem para o futuro é que o dinheiro não sobra. “E isso é uma meia verdade, pois a questão da reserva está relacionada às prioridades dadas ao dinheiro. Precisamos ter essa prioridade de poupar e é essa preocupação que as entidades precisam ter”, destacou Laura. “Apesar desse tema ser discutido nas entidades, ele precisa ser cada vez mais fortalecido. Começamos a discutir isso com foco quando a antiga Secretaria de Previdência Complementar (SPC), hoje Previc, criou programas de educação financeira e previdenciária, incentivando entidades a implantarem os projetos”, disse.

Com o tempo, isso foi se ampliando até que em 2014 a própria Previc deixou de fazer isso.
“Esse fato trouxe a ideia, dentro da Comissão Técnica, de elaborar um material que pudesse provocar essa questão. A cultura previdenciária passa pela educação financeira e precisamos conversar sobre essa questão, trazendo-a cada vez mais para perto de nós, precisando estar no centro das estratégias de comunicação e marketing das entidades. Assim, conseguimos reverter o baixo interesse pelas questões relacionadas ao dinheiro”.

O desafio também está com os planos família, nos quais muitas entidades estão investindo, levando a previdência para dentro de casa, e Laura disse que para que eles sejam efetivos, é preciso educar para que o adulto veja a solução para a questão dos seus dependentes. “Mas não é somente previdência para aposentadoria, mas também para sonhos, ter um dinheiro guardado para uma criança possa ter uma qualidade de vida melhor no futuro. Isso passa pela educação dos responsáveis e pelo futuro das crianças”.

Pensando isso tudo, foi elaborado o Guia de Educação Financeira Futuros Poupadores, que parte de quatro pilares: ganhar, gastar, poupar e adorar. “Todos eles são detalhados, com exemplos práticos, mostrando a questão da educação financeira sob essa perspectiva. Mas para isso, é preciso que o adulto internalize para poder educar”, ressaltou Laura. O guia será disponibilizado em versões PDF e HTML, podendo ser compartilhadas e utilizadas por todas as associadas da Abrapp. “O conhecimento deve ser distribuído. Quanto mais gente educada e financeiramente equilibrada, melhor”.

Boas Práticas: Ações de Educação Financeira e Previdenciária

Gilmar Barbosa, Coordenador da Comissão Sul de Estratégias e Criação de Valor da Abrapp, contou que o Guia Boas de Práticas: Ações de Educação Financeira e Previdenciária está sendo preparado para ser lançado em breve. Sua elaboração iniciou em 2019, após a comissão perceber que a educação financeira e previdenciária ainda é um tema a ser bastante discutido. “Temos muito a fazer. A educação financeira e previdenciária oferece qualidade de vida aos participantes e assistidos, e o compromisso de uma EFPC tem o viés de educação, pois temos que dar conhecimento aos participantes para que, quando ele chegue na gestão de patrimônio, possa tomar a decisão correta”.

Assim, a responsabilidade de uma EFPC, pontuou Gilmar, vai além das rotinas operacionais, tendo que auxiliar no processo de decisão tanto financeira quanto previdenciária. “Devemos incorporar dentro das entidades a preparação para aposentadoria. Temos um processo para educar, e depois, para ajudar o participante a administrar o benefício. Isso é do contexto de todos: patrocinador, entidade e sociedade em geral. A educação previdenciária é um caminho para auxiliar a sociedade sobre essa necessidade de poupar”, disse.

A Regional Sul identificou que ainda às vezes pequenas entidades acreditam que não conseguem estruturar ações de educação, mas pequenas ações também fazem diferença. “Na Regional Sul, temos diversos tipos de porte de entidades, e cada uma dela faz suas ações de forma diferenciadas, mas todas têm o objetivo de educar. Muitas das pequenas ações, até as grandes ações, podem ser compartilhadas e até adaptadas à realidade de cada entidade”, disse Gilmar, reiterando que, por isso, a Comissão de Estratégias e Criação  de Valor decidiu reunir profissionais permitindo maior interação e compartimentado de ideias, dando contribuição ao segmento.

O propósito do guia é permitir que todos tenham o mesmo nível de conhecimento, independente do porte. “As ações citadas congregam entidades de cada estado, entre eles Paraná, com Fusan; Fundação Copel, Fibra, e Fundação Mais Futuro; Santa Catarina, com o know how de 14 entidades, unificando os enforcements no Programa Integrado A Escolha Certa, com vídeos, site, ações para novos participantes, campanhas de adesão, palestras, entre outras; e do Rio Grande do Sul, com entidades como Fundação Família Previdência, FAPA e Fapers”, complementou Gilmar. O guia será lançado nas próximas semanas.

Continue acompanhando a cobertura do evento no Blog Abrapp em Foco. O 2º Encontro Nacional de Estratégias e Criação de Valor tem o Patrocínio Ouro de Base Viral, MAG, mLabs e Startse; e Patrocínio Prata da Maturi.

Newsletter Abrapp em Foco

Cadastre-se e fique por dentro de tudo que acontece no Grupo Abrapp e em sintonia com os fatos mais relevantes do setor.