Escolha uma Página

Sebrae Previdência aprova trabalho à distância como política de gestão de pessoas

Com a experiência bem sucedida do trabalho em home office, em decorrência do isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, o Sebrae Previdência passará a adotar esta prática como uma das políticas de gestão de pessoas. Para isto, foi aprovada pelo Conselho Deliberativo a Política de Trabalho à Distância, já disponível no Portal do Instituto.

Contribuíram para a adoção dessa Política o nível de produtividade que vem sendo alcançado durante o período de pandemia além do programa Sebraeprev Digital, no qual a equipe do Instituto já vem trabalhando em home office desde março, com todas as rotinas mantidas, graças ao Plano de Gestão de Continuidade de Negócios implantado há três anos, diz comunicado enviado pela entidade.

“O nosso diferencial foi estarmos preparados, claro que não falo da pandemia que trouxe tanta tristeza, mas sim do Plano de Gestão de Continuidade de Negócios que a entidade já possuía e que permitiu que os nossos sistemas corporativos funcionassem em ambiente externo. Apenas o atendimento presencial parou, no entanto, passou a ser feito por vídeo, as demais rotinas aconteceram com êxito, como os pagamentos dos benefícios, razão maior do Instituto”, diz a Gerente de Seguridade, Luciana Ribeiro.

Agora, com uma política específica para regulamentar o trabalho à distância, os funcionários terão a opção de optar por duas modalidades diferentes: o teletrabalho e o home office. “A equipe está 100% engajada, as atividades do Plano de Ação do Instituto estão em pleno cumprimento, não houve qualquer queda no rendimento da equipe. O formato de trabalho proposto permite maior qualidade de vida”, comenta Luciana.

Bem estar do funcionário – Dentre os objetivos da Política de Trabalho à distância estão a melhora na qualidade de vida dos funcionários, com a redução do desgaste físico e mental advindo de deslocamentos, aumento da motivação, comprometimento e autonomia. Além do impacto ambiental positivo para toda a cidade, com a redução do tráfego e, consequentemente, da poluição. Além disso, o maior tempo com os filhos, o estudo de uma língua estrangeira, dentre outras atividades, tornam a vida mais prazerosa. “Buscamos favorecer a inovação, o trabalho criativo, assim como atrair e manter novos talentos”, revela Luciana.

Monitoramento dos resultados – De acordo com Juliana Cipriano, responsável pela área de gestão de pessoas, para implantar definitivamente essa nova modalidade de trabalho tivemos que alterar os contratos de trabalho, por meio de termo aditivo, além de constar do Acordo Coletivo de Trabalho, prevendo as duas condições; home office ou teletrabalho. Em ambas condições, o Instituto se responsabiliza pelas despesas de infraestrutura, mediante ressarcimento.

O trabalho à distância é opcional e para isso o colaborador preenche um formulário específico com um Plano de Trabalho contendo atividades, metas e prazos para submeter ao seu diretor. Além disso, o colaborador deve encaminhar relatórios sobre as atividades desenvolvidas, ao gestor da área, no mínimo, mensalmente. A partir dos relatórios, cada setor irá realizar manifestações técnicas, a fim de apurar tanto as boas práticas como falhas nos regimes de trabalho à distância, resultados de produtividade, variações nos gastos da entidade, para assim formular sugestões de aperfeiçoamento da Política, caso seja necessário. As atividades presenciais irão continuar, para as funções que dependem deste modelo, integral ou parcialmente.

E-book aborda reflexões sobre o teletrabalho e home office nas EFPC

E-book aborda reflexões sobre o teletrabalho e home office nas EFPC

O livro digital “Reflexões sobre o Teletrabalho – Home Office nas EFPC” está disponível para download gratuito. A publicação foi elaborada pelo Comitê de Recursos Humanos da Abrapp em parceria com a Comissão Técnica de Assuntos Jurídicos, e traz contribuições às entidades sobre como instituir as práticas mais adequadas de trabalho remoto, as quais devem ser avaliadas por cada fundação devido à heterogeneidade do setor.

O e-book tem como objetivo levar aos profissionais encarregados de elaborar e implementar esse tipo de ação nas entidades informações e um roteiro com abordagem prática sobre os principais pontos atinentes a essa temática. 

“O cenário da pandemia exigiu que entidades, lideranças e seus profissionais adotassem novos hábitos e rotinas. Além de terem que se adaptar rapidamente às mudanças e novas formas de se relacionar, o que representará um legado permanente para o mundo corporativo. O momento requer flexibilização, transformação, criatividade, ousadia e resiliência, para que as entidades continuem crescendo e cumprindo seus compromissos”, diz a introdução.

O conteúdo do livro digital é segregado em duas partes, sendo que a primeira aborda um estudo sobre aspectos trabalhistas que concernem as práticas de home office, podendo subsidiar a elaboração de documentos formais e normativos internos sobre o assunto.

Já a segunda parte da publicação contém dicas de ordem prática voltadas aos gestores, parceiros de negócios e equipes de RH das EFPC. Faça aqui o download do e-book na íntegra.

Entrevista: Superintendente da Fapes assume no meio da pandemia e avança com aperfeiçoamento da governança

Entrevista: Superintendente da Fapes assume no meio da pandemia e avança com aperfeiçoamento da governança

“Daria para escrever um livro”, diz Ruy Gomes, Diretor Superintendente da Fapes, sobre o intenso período de oito meses que está à frente da entidade. Ele assumiu o cargo no mês de abril, cerca de um mês após a chegada da pandemia de Covid-19. Todos os colaboradores da entidade já estavam em home office e, mesmo assim, foram implantadas as mudanças e ferramentas necessárias para manter o funcionamento dos serviços de previdência e saúde.

Em entrevista exclusiva ao Blog Abrapp em Foco, o dirigente comenta os desafios e avanços desse período. Profissional com 13 anos de BNDES, Ruy Gomes já havia sido Diretor de Seguridade da Fapes entre setembro de 2016 e dezembro de 2017. De lá para cá, ele comenta que a entidade promoveu um amplo processo de corte de despesas administrativas e que mudou a maior parte do quadro de colaboradores. E no meio da pandemia, o processo de aperfeiçoamento da governança contou com importante avanço com o uso das tecnologias digitais.

Confira a seguir a entrevista na íntegra:

Daria para escrever um livro

“Assumi a presidência da Fapes em abril, logo após a chegada da pandemia. Com a experiência vivida nos últimos meses, daria para escrever um livro ou fazer um filme. O home office para mim tinha começado um pouco antes de assumir a Fapes. Começou quando ainda estava no BNDES. Aliás, o próprio processo de seleção foi realizado em home office”.

Não conhecia as pessoas

“Assumi com o desafio de gerir uma empresa com 150 pessoas que já estavam em home office. Eu não conhecia a maioria das pessoas. Fui diretor de seguridade da Fapes em 2016. Mas muita gente saiu da entidade desde então com o processo de corte de despesas administrativas. Havia muitas pessoas novas”.

Uso da tecnologia

“Se fosse há 10 anos, seria muito mais difícil. Acredito que não haveria capacidade tecnológica para manter o funcionamento do fundo. Claro, que a pandemia está sendo uma desgraça. Mas temos de ver o lado positivo também. A Fapes estruturou ferramentas tecnológicas de maneira surpreendente. Fizemos entregas. Não atrasamos o pagamento de benefícios”.

Redução do papel

“Quando comecei na Fapes já estavam todos em home office. Utilizamos ferramentas como o Teams para as reuniões. Usamos a solução Adobe para a assinatura eletrônica. Com isso, reduzimos drasticamente o uso de papel. E todo o processo se agilizou. É um caminho sem volta. Reduzimos ainda mais as despesas. Mas o mais importante foi cuidar da saúde de nossos colaboradores”.

Única vez no escritório

“Em oito meses como dirigente da Fapes, fui uma única vez ao escritório. Fui quando não havia ninguém lá. É que vamos iniciar uma obra. É um projeto de reforma e redução do tamanho do escritório que temos no Centro Empresarial Presidente Castelo Branco. Temos dois andares e vamos reduzir para um”.

Redução do tamanho

“Chegamos a ter três andares na Fapes. O tamanho já havia sido reduzido para dois andares e agora vamos reduzir novamente. Será um modelo diferente, chamado de flex office. Cada equipe terá sua frequência no escritório de acordo à necessidade. Algumas podem ir duas vezes por semana, outras apenas um vez. Cada colaborador terá um notebook e terá de agendar a ida ao escritório. E os funcionários não terão baia fixa. Haverá flexibilidade de espaço e de horários”.

Importância da presença

“Ao mesmo tempo que há mais flexibilidade, mas não haverá perda do contato. As equipes se encontrarão em dias específicos. É importante contar com a presença em alguns momentos, para dar novas ideias, implementar projetos. Não precisa ser 100% do tempo, mas será ainda necessário”.

Corte de despesas

“Já realizamos um processo importante de corte de despesas nos últimos anos. Houve uma queda radical das despesas. Os gráficos mostram uma curva bem acentuada para baixo. De 2016 a 2019 reduzimos as despesas em 39%. Se considerar apenas a área previdenciária, a redução foi de 50%. Acreditamos que já chegamos em um ponto adequado. Inclusive já conversamos sobre isso com o órgão de supervisão. Para funcionar como uma entidade de previdência e saúde eficiente, já não temos como reduzir o quadro de colaboradores. Como já disse, estamos reduzindo agora nossa estrutura física. Temos de investir de agora em diante em nossos colaboradores”.

Planejamento estratégico

“Contratamos uma consultoria para planejamento estratégico para traçar os próximos cinco anos. É um trabalho que será concluído em dezembro. E neste ponto, o planejamento estratégico da Abrapp foi muito importante. Ele está contribuindo para definir os rumos da Fapes. Vamos apresentar o resultado de nosso planejamento em uma live no início do ano que vem para nossos participantes”.

Realização de Lives

“Temos realizado lives mensais voltadas aos participantes. É uma nova forma de aproximação com nosso público. É um exemplo de como o cenário de pandemia foi aproveitado para ampliar o uso da tecnologia e fortalecer o relacionamento com os participantes. Eles podem assistir a live de suas casas e interagir com perguntas e comentários. Isso é muito importante, principalmente para o público de aposentados, cuja participação é muito maior se comparado com os eventos presenciais que a Fapes realiza antes da pandemia”.

Plano família

“Nosso modelo de plano família já foi aprovado pela Previc. Nossa previsão é abrir para adesões na metade de 2021. Antes disso, estamos concluindo a implantação do sistema SAP. É uma ferramenta robusta para rodar os planos de previdência. O novo sistema será utilizado também para rodar o novo plano voltado aos familiares dos participantes”.

Recuperação dos investimentos

“Sofremos um forte impacto, como todo o sistema, com o início da crise que impactou os mercados em março deste ano. Passamos a registrar boa recuperação nos meses seguintes e recentemente o mercado registrou alguns altos e baixos novamente. O mês de novembro foi muito bom e acreditamos que iremos fechar o ano sem necessidade de equacionamento de déficits. Claro que isso depende do desempenho do mês de dezembro. Sempre promovemos a revisão das premissas atuariais, das hipóteses dos planos. Não olhamos apenas para a rentabilidade”.

Cuidado à saúde

“Cuidamos da saúde de milhares de pessoas e família. Demos uma virada no meio da pandemia. Implantamos o programa saúde da família. Os médicos e enfermeiros passaram a monitorar quem tinha sintomas. Seguimos um modelos de saúde preventiva. É um modelo que beneficia a empresa, com reduz os gastos e diminui internações. E também é melhor para os participantes”.

Newsletter Abrapp em Foco

Cadastre-se e fique por dentro de tudo que acontece no Grupo Abrapp e em sintonia com os fatos mais relevantes do setor.