Escolha uma Página
Eletros recebe Selo de Autorregulação e destaca importância de chancela para o segmento

Eletros recebe Selo de Autorregulação e destaca importância de chancela para o segmento

A principal motivação da Eletros para obtenção do Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos foi dar aos participantes, patrocinadores e partes relacionadas a chancela externa de qualidade de gestão. “Para alcançarmos esse objetivo, a Eletros buscou adequação e melhorias de seus processos de governança, políticas e normativos internos para atender aos requisitos impostos para obtenção do Selo. Estamos muito orgulhosos com o recebimento do Selo, considerando toda a sua importância no nosso segmento e a excelência dos avaliadores”, disse o Presidente da entidade, Pedro Paulo da Cunha em entrevista ao Blog Abrapp em Foco.

A Eletros foi uma das seis Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) que receberam o Selo em novembro, concedido pelo programa de Autorregulação da Abrapp, Sindapp e ICSS. Até o momento, 17 entidades foram certificadas pelo programa. O Selo é uma chancela que reconhece a qualidade nos processos de governança de investimentos das EFPC.

A candidatura da Eletros foi iniciada em setembro de 2019. “O processo demorou um pouco mais do que esperávamos devido à alternância da governança da Eletros, gerando a necessidade de reenvio de documentação. Em parte, o processo foi prejudicado também pela pandemia da Covid-19”, disse Cunha.

Para alcançar Selo, ele conta que a Eletros precisou do empenho do Conselho Deliberativo, fornecendo as principais orientações de adequação da estrutura de governança; do Conselho Fiscal, contribuindo com seu papel fiscalizador, verificando se os controles internos estão em conformidade com a regulamentação aplicável e objetivos traçados; e da Diretoria, adequando os processos decisórios e regimentos internos seguindo as orientações do Conselho da Eletros e dos requisitos sugeridos no Código de Autorregulação em Governança de Investimentos.

Aprendizado – O principal aprendizado apontado por Cunha no processo de obtenção do Selo foi o de reforçar a certeza de que vale a pena todo o esforço que a Eletros emprega diariamente para entregar aos seus participantes e assistidos os melhores resultados. “No caminho percorrido para a obtenção do Selo, foi possível constatar que, mesmo que a entidade exerça as atividades de gestão de recursos buscando o uso das melhores práticas de governança, ética e diligência, sempre há oportunidade de melhorias nos processos de tomada de decisão, na mitigação dos riscos e na comunicação com os participantes, assistidos, patrocinadores e demais envolvidos”.

Ele ressalta ainda que o grande ganho com este processo é o de poder proporcionar ao participante a garantia de que seus investimentos estão sendo geridos através de processos confiáveis e transparentes, considerando sempre elevados padrões éticos. “Entendemos que a obtenção deste Selo demonstra a preocupação da Eletros em dar condições aos participantes, patrocinadores e todos que se relacionam direta ou indiretamente obterem informações claras e precisas da condução dos investimentos”.

Elos é certificada com o Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos

Elos é certificada com o Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos

A Fundação Elos obteve o Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos. A certificação reconhece a qualidade dos processos de governança de investimentos da entidade. O selo é concedido pelo programa de Autorregulação da Abrapp, Sindapp e ICSS. Até o momento, 17 entidades foram certificadas pelo programa.

O Selo chega dois anos após a adesão da Elos ao Código de Autorregulação em Governança de Investimentos. O processo de candidatura ao Selo durou cerca de 18 meses. “Desde a nossa adesão ao código até a obtenção do Selo, nossa equipe empenhou-se em adequar processos e políticas para que ficasse cada vez mais transparente e evidente a gestão criteriosa de investimentos que já é praticada aqui na Elos”, reforça o Diretor Financeiro e Administrativo, Rafael Vicchini.

“Com certeza é uma chancela que atesta a qualidade de nossos processos e representa mais um passo importante na construção de um futuro cada vez mais próspero junto aos participantes e patrocinadoras”, ressalta Ezequias Candido de Paula, Diretor Superintendente.

Para obter o Selo, a entidade cumpriu exigências estabelecidas no Código de Autorregulação em Governança de Investimentos, que foram submetidas a um processo de auditoria. Esse processo foi realizado por uma banca avaliadora composta por profissionais do segmento de previdência complementar e profissionais do mercado financeiro.

Ezequias acredita que a adesão das entidades aos selos de Autorregulação mostra um movimento importante no sentido de transmitir, não somente ao público de participantes, mas para toda a sociedade, confiança e credibilidade na gestão dos recursos, e com isso ajuda a criar um escudo em torno da reputação do segmento de previdência complementar.

Processos bem definidos – Rogério Brenand Pazzim, Gerente de Investimento da Elos, explica que a obtenção do selo significa que os processos de investimentos são bem definidos e as decisões são técnicas e fundamentadas em estudos. “E com todo esse arcabouço na tomada de decisão minimiza-se o conflito de interesses e decisões centradas em uma única pessoa”, complementa Rogério.

“Entre os princípios contidos no Código, estão as obrigações que devem ser seguidas na gestão de investimentos e no monitoramento de riscos da entidade, buscando sempre o uso das melhores práticas de governança e ética, empregando zelo e diligência com o patrimônio para o cumprimento do dever fiduciário”, diz comunicado da entidade.

O código também traz requisitos que promovem a transparência nos processos de governança de investimentos e garantem a disponibilização de informação adequada e clara. Todas essas ações contribuem para aumentar a confiança de todos os agentes desse segmento do mercado.

Além da Elos, também a Capef, Viva, Eletros, Infraprev e Serpros receberam o Selo no último dia 20 de novembro.

Selo de Autorregulação é um ganho representativo de reputação, diz Presidente da Capef

Selo de Autorregulação é um ganho representativo de reputação, diz Presidente da Capef

A Capef foi uma das seis entidades que receberam o Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos no mês de novembro. O Selo é uma chancela que reconhece a qualidade nos processos de governança de investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), concedido pelo programa de Autorregulação da Abrapp, Sindapp e ICSS. Até o momento, 17 entidades foram certificadas pelo programa. 

“Uma certificação como essa é fundamental para as EFPC que querem melhorar sua governança e seus processos de gestão de investimentos”, diz o Diretor Presidente da Capef, Jurandir Mesquita, em entrevista ao Blog Abrapp em Foco. “Por ser fruto de uma avaliação externa, empreendida por um Conselho de Autorregulação composto por entidades idôneas e independentes, reconhecidas em suas áreas de atuação, proporciona um destaque e diferenciação à Capef ao passar a fazer parte deste grupo de entidades que já obtiveram este reconhecimento”, complementa.

Segundo Jurandir, aos olhos dos participantes, patrocinadores e Conselhos, o Selo de Autorregulação fortalece o conceito que a Capef já possuía em relação à credibilidade, confiança, transparência, comunicação, atestando sua capacidade de atender às expectativas e interesses desses stakeholders em conformidade com a legislação e normas aplicáveis à gestão dos investimentos. “Considerando que a Capef está se preparando para lançar o seu Plano Família, é um ganho representativo de reputação que fortalecerá a abordagem junto ao público alvo, nossos futuros participantes”, ressalta. 

Governança em investimentos – O Selo reconhece as melhores práticas na governança de investimentos, de forma a consolidar ações voltadas para geração de segurança, transparência, economicidade e racionalidade na execução dos procedimentos das EFPC, em especial aquelas vinculadas aos processos de investimentos, envolvendo desde o momento da análise do cenário macroeconômico até o registro dos ativos. “A Capef sempre se dedicou a manter uma governança robusta, com muita transparência e comunicação abrangente, e também um maior envolvimento dos seus participantes nas discussões em torno das Políticas de Investimentos dos planos que administra”, diz Jurandir.

Segundo ele, a motivação para se candidatar ao Selo se fundamentou no fato de que todo o processo de investimentos da entidade passa pelo crivo de uma avaliação externa/independente. “Durante a fase de verificação da nossa conformidade ao Código de Autorregulação, vimos que ele contribuiria, como de fato contribuiu, para o aperfeiçoamento dos pontos passíveis de melhoria, culminando na obtenção do Selo”, diz, ressaltando a importância dessa chancela que traz mais segurança e confiabilidade ao trabalho da entidade no que diz respeito à gestão dos investimentos.

Processo de obtenção do Selo – Jurandir conta ainda que tanto a Diretoria como os Conselhos Deliberativo e Fiscal da Capef se mostraram amplamente favoráveis, desde o momento da adesão/candidatura ao Selo. “Não poderia ser diferente, uma vez que todos os membros eleitos e indicados são egressos do nosso patrocinador fundador, o Banco do Nordeste, que possui várias certificações concedidas pela Anbima, por exemplo, que de certa forma têm similaridade quanto ao significado. Então, a atuação dos colegiados foi fundamental durante todo o processo, dando apoio irrestrito e colocando-se à disposição, inclusive em atender com celeridade aos quesitos formulados aos membros desses órgãos estatutários, bem como quanto à implementação das recomendações de melhoria apresentadas pela banca avaliadora, quando a alçada era de sua governança”, explica. 

Embora a pandemia tenha estendido um pouco o processo, Jurandir destaca que essa extensão adicional veio a contribuir para que a Capef pudesse contar por exemplo, com o auxílio da Auditoria do patrocinador que, durante os trabalhos normais de auditoria anual na entidade, puderam fazer uma conformidade prévia do processo de gestão de investimentos e de documentação que foi enviada à banca avaliadora.

Segundo o Presidente da Capef, o principal e mais relevante aprendizado no processo de obtenção do Selo de Autorregulação em Governança dos Investimentos é o entendimento de que essa jornada não termina com o Selo, o qual não deve ser visto com um fim em si. “Podemos dizer, sem dúvida, que fica ampliada a consciência da importância do aprimoramento contínuo para garantirmos um padrão elevado de governança na gestão dos investimentos, tornando ainda mais tranquilo quando for chegado o tempo de passarmos por uma avaliação futura para manutenção do Selo, em conformidade com o novo Código de Autorregulação”, complementa.

Viva Previdência recebe Selo de Autorregulação pela gestão de investimentos

Viva Previdência recebe Selo de Autorregulação pela gestão de investimentos

A Fundação Viva de Previdência acaba de receber o Selo de Autorregulação em Governança de Investimentos, chancela que reconhece a qualidade nos processos de governança de investimentos. O selo é concedido pelo programa de Autorregulação da Abrapp, Sindapp e ICSS. Até o momento, 17 entidades foram certificadas pelo programa. 

A iniciativa reconhece as melhores práticas na governança de investimentos, de forma a consolidar ações voltadas para geração de segurança, transparência, economicidade e racionalidade na execução dos procedimentos da Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), em especial, aquelas vinculadas aos processos de investimentos, envolvendo desde o momento da análise do cenário macroeconômico até o registro dos ativos.

“O selo é um certificado da qualidade do nosso método de administração dos recursos dos nossos participantes e assistidos, que, não por acaso, vêm performando muito acima do mercado nos últimos anos”, avalia Silas Devai Júnior, Diretor Presidente da Viva. Ele afirma que o selo é também um instrumento relevante para casos de a transferência de gestão, um dos quatro pontos estratégicos da Viva neste ano. Os outros são qualidade de gestão, fortalecimento da marca e parcerias inovadoras.

Um exemplo disso é a transferência de gerenciamento do plano AnaparPrev para a Viva Previdência, que foi recentemente aprovada pela Previc. A negociação iniciada no início deste ano prevê a gestão pela fundação de um patrimônio adicional de aproximadamente R$ 550 milhões, distribuídos entre 3 mil participantes, sendo 79% contribuintes ativos e 21% assistidos em recebimento de benefício. 

Com a transferência, o plano passa a compor o portfólio de planos administrados pela Viva, com total responsabilidade sobre todos os processos de tratamento e manutenção de cadastro, arrecadação e pagamento de benefícios e pela gestão de investimentos. Assim, com o Anaparprev, a Viva passará a administrar um patrimônio superior a R$ 3 bilhões, com cerca de 50 mil participantes. 

Além da Viva, também a Capef, Elos, Eletros, Infraprev e Serpros receberam o Selo no último dia 20 de novembro. “As EFPC abraçaram a causa e estão buscando o Selo de Autorregulação. O diagnóstico realizado no processo decisório da entidade é um dos grandes motes da concessão do Selo: as EFPC vão superando obstáculos identificados e realizam aprimoramentos. O envolvimento crescente das associadas mostra isso: o sistema está abraçando a causa”, destaca o Presidente do Conselho de Autorregulação e Diretor Presidente da Abrapp, Luís Ricardo Martins.

 

Newsletter Abrapp em Foco

Cadastre-se e fique por dentro de tudo que acontece no Grupo Abrapp e em sintonia com os fatos mais relevantes do setor.