Escolha uma Página

Giro das Associadas: Prevcom, Funpresp-Exe e Petros

Investimentos no exterior impulsionam rentabilidade da Prevcom em janeiro – A carteira de investimentos da Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom) rendeu 0,64% em janeiro e superou o objetivo de IPCA + 4%, calculado em 0,58%. O resultado foi puxado pelos investimentos no exterior, segundo a entidade, sustentando a rentabilidade em um período em que o mercado doméstico passou a refletir incertezas relacionadas a questões fiscais, ao aparecimento de novas variantes do coronavírus e ao lockdown em vários países europeus.

“Estamos muito satisfeitos com os investimentos no exterior mesmo porque os melhores retornos vieram destas aplicações”, afirma o Presidente da Prevcom, Carlos Henrique Flory, em comunicado. A alternativa associada à alocação de capital em fundos estruturados compõem as linhas selecionadas para alavancar os ganhos dos planos de previdência complementar administrados pela fundação, que detém ainda um estoque de Notas do Tesouro Nacional-B, marcado na curva, que rende em média IPCA + 6%, com vencimentos até 2050. O pacote de títulos cumpre a função de defender a performance contra possíveis retrações e turbulências de curto prazo.

O desempenho mensal da entidade manteve sua consistência, apesar da instabilidade que fez a Bolsa de Valores recuar -3,32%. No comparativo em 12 meses, os recursos aplicados renderam 8,47%, próximo do alvo de 9%. O patrimônio da entidade alcançou o total de R$ 1,8 bilhão, sendo 75% investidos em renda fixa, 13% em multimercado, 7% em renda variável e 5% no exterior.

 

Funpresp-Exe lança consultora virtual – A Funpresp-Exe lançou a Vic, a consultora virtual de previdência complementar da fundação. O sistema de chatbot integra o conjunto de canais de atendimento da entidade. Disponível 24h por dia, sete dias por semana, a Vic possui um banco de mais de mil respostas para diferentes questionamentos. Até o momento, seu índice de exatidão nas respostas é de 67%. Quanto mais interação ela tiver, mais inteligente fica, o que significa que o sistema está em constante aprendizado e é aperfeiçoado permanentemente ao longo do tempo.

“A Vic agiliza o solucionamento de dúvidas e ajuda o participante de forma mais rápida e fácil. Com ela, estamos alinhados com o que o mercado tem de mais moderno em termos de atendimento e prestação de informações”, afirma a Coordenadora de Relacionamento e Atendimento da Funpresp-Exe, Sandi Gutierrez.

 

Conselho Deliberativo da Petros aprova regulamento das eleições deste ano – O Conselho Deliberativo da Petros aprovou o regulamento das eleições deste ano que vão definir uma dupla de titular e suplente para representar os participantes ativos e assistidos no Conselho e outra, também de titular e suplente, para o Conselho Fiscal. As duas duplas serão compostas por ativos dos planos administrados pela entidade e serão eleitas em pleito que contará com a participação de todos os inscritos nos planos até 28 de fevereiro de 2021.

Com a aprovação do regulamento, o próximo passo é a formação da Comissão Eleitoral, que contará com oito integrantes, sendo quatro indicados pela Petros e quatro representantes dos maiores sindicatos ou associações de participantes.

Petros fortalece transparência em adequação à Resolução nº 32

Petros fortalece transparência em adequação à Resolução nº 32

Com o compromisso de fortalecer a transparência com os participantes, a Petros se dedicou à implementação de 100% das exigências da Resolução nº 32, do Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC), que dispõe sobre os procedimentos que devem ser observados por todas as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) na divulgação de informações dos planos aos seus participantes.

O projeto de adequação à Resolução pela entidade foi cumprido dentro do prazo estipulado em um trabalho coordenado pela área de comunicação da Petros, com participação da área de tecnologia da informação e área de controles internos, envolvendo todas as áreas de negócios. “Optamos por não contratar uma consultoria externa, fazer internamente e foi a melhor opção quando olhamos para os resultados, pois economizamos e conseguimos dar essa transparência solicitada. Fizemos dentro do prazo, o que mostra a seriedade da fundação e nosso compromisso. Estou muito satisfeito com o resultado”, diz Leonardo Moraes, Diretor de Riscos, Administração e Finanças da Petros, em entrevista ao Blog Abrapp em Foco.

Como resultado, Moraes avalia que a entidade garante mais transparência aos seus participantes, os quais agora trata como clientes, dando mais conhecimento e segurança sobre os processos da fundação, apesar de já atender anteriormente a parte dos requisitos exigidos pela legislação. “A gente já tinha mais da metade da Resolução atendida naturalmente, mas havia algum gap que tentamos cobrir, e o mais importante foi a divulgação de simuladores para os planos de Contribuição Definida (CD) e Contribuição Variável (CV) e o fortalecimento do nosso Relatório de Atividades”.

Adequação – Entre as ações implementadas pela Petros para adequação à Resolução nº 32 estão a atualização de informações, implementação de novas ferramentas e disponibilização de outras publicações, além das já existentes e divulgadas aos participantes. Já as mudanças decorrentes da nova regulamentação incluíram a atualização de simuladores dos planos e demonstrativos mensais de investimentos, além do acréscimo de informações no Relatório de Atividades. “Já fazíamos alguma divulgação sobre a área de investimento, mas agora ela é mais célere em relação à rentabilidade”, diz Moraes.

Além disso, passará a ser publicado um extrato de atas das reuniões dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, com o cuidado da confidencialidade das informações. “Estamos divulgando esse extrato, que não é a ata completa por ter muita discussão estratégica, mas daremos o máximo possível de transparência sem que isso comprometa a estratégia da entidade”, explica.

Moraes destaca ainda a realização de lives técnicas com a Diretoria, que aproximam a Petros de seus clientes tanto na abordagem de assuntos mais técnicos quanto menos técnicos. “É importante também que a gente dê uma prestação de contas para os clientes. A Resolução nº 32 não nos obriga a fazer essas lives, mas é algo que espontaneamente decidimos fazer para aumentar nossa transparência”, diz.

Moraes ressalta que a pandemia de Covid-19, apesar de todos os seus pontos negativos e dificuldades impostas, mostrou que existem outras formas de comunicação, de maneira que já estavam disponíveis e que não eram utilizadas. “Isso fez com que a gestão da Petros ficasse mais próxima de seus clientes. Tivemos dificuldades, mas houve uma aceleração da realização de lives, por exemplo”.

Fortalecimento da transparência – Leonardo Moraes ressalta que o desejo da Petros é seguir fortalecendo a transparência de dados e de atos de gestão. “Falamos dessa mudança de mindset ao ver nossos participantes como clientes, e por isso eles merecem toda dedicação em darmos transparência. Nossos desejo é em virarmos um benchmark da indústria. A Resolução nº 32 é um catalisador e indutor dessas práticas”.

Segundo ele, a adequação à Resolução aumenta a credibilidade das EFPC. “Temos muitas ferramentas que facilitam essa adequação. Meu conselho para todo mundo é que se adeque, pois será super positivo para o relacionamento entre entidades e clientes”, reitera.

Petros adere ao Código de Autorregulação em Governança Corporativa da Abrapp

A Petros aderiu ao Código de Autorregulação em Governança Corporativa da Abrapp, evidenciando o compromisso público da entidade com as melhores práticas e o aperfeiçoamento contínuo de sua governança. Além disso, a adesão reflete a maturidade do arcabouço da governança, que segundo a fundação, vem sendo aprimorado a partir de uma profunda transformação que envolve todas as suas áreas.

“O próximo passo é obter o Selo de Autorregulação em Governança Corporativa, concedido pela Abrapp após verificação técnica para comprovar o efetivo cumprimento das práticas estabelecidas no documento”, diz comunicado da Petros.

O Código de Autorregulação em Governança Corporativa da Abrapp reúne um conjunto de princípios e diretrizes que devem ser seguidos pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) no que se refere a boas práticas de governança corporativa, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do setor.

A Petros é signatária também do Código de Autorregulação em Governança de Investimentos, e obteve o Selo referente ao mesmo código em novembro de 2018, o que confirma que a entidade está alinhada com as práticas estabelecidas no documento.

Giro das Associadas: Petros, Viva Previdência e Sebrae Previdência

Petros reverte impacto da crise nos investimentos – A Petros conseguiu reverter, em novembro, o impacto causado nos investimentos pela crise econômica diante da pandemia a partir de uma atuação focada na gestão ativa dos investimentos e estratégias de diversificação para aproveitamento das oportunidades. De acordo com a prévia do último mês, os investimentos apresentaram alta de 6,79%, considerando todos os planos administrados pela Petros, elevando a rentabilidade acumulada do ano para 3,26%, ficando em 5,72% nos últimos 12 meses.

A rentabilidade obtida de abril a novembro contribuiu para um crescimento de cerca de R$ 15 bilhões da carteira de investimentos consolidada, considerando todos os planos administrados. “Este resultado significa que, em apenas oito meses, a Petros conseguiu uma rentabilidade de 18%, uma recuperação surpreendente ao levarmos em conta o impacto no resultado acumulado em março (-14,20%), quando teve início a pandemia de Covid-19”, destacou o Diretor de Investimentos da Petros, Alexandre Mathias.

Os três maiores planos administrados pela Petros voltaram ao campo positivo em novembro. Os investimentos dos planos Petros do Sistema Petrobras – Repactuados e Não Repactuados (PPSP-R e PPSP-NR) apresentaram valorização de 7,5% e 7,8%, respectivamente, frente a uma meta de 1,25% no PPSP-R e de 1,26% no PPSP-NR, de acordo com a prévia do último mês. O retorno acumulado no ano foi de 3,7% no PPSP-R e de 3,9% no PPPS-NR, ante objetivo de, respectivamente, 7,3% e 7,25% para o período. Já o Plano Petros-2 (PP-2) apresentou alta de 5,3% frente a uma meta de 1,2%, acumulando ganho de 1,5% no ano, ante objetivo de 8,1%.

Nos planos de Benefício Definido, o destaque foi a renda variável, com alta de 16,5% no PPSP-R, e de 17,9% no PPSP-NR, fazendo com que o segmento voltasse a registrar rentabilidade positiva no acumulado do ano. A renda fixa também contribuiu para essa retomada, registrando valorização de 3,9% no PPSP-R e de 4% no PPSP-NR acumulando, respectivamente, retorno de 3,3% e 3,8% em 11 meses.

No PP-2, a renda variável também impulsionou a alta, avançando 13,3% no mês e reduzindo o resultado negativo para – 8,5% no ano. Com valorização de 1,7% na renda fixa em novembro, foi registrado retorno acumulado de 8% neste segmento em 2020.

“As estratégias baseadas em fundos ativos, com mandatos específicos e diversificados, além de alta liquidez, foram fundamentais no processo de recuperação da rentabilidade este ano, configurando-se em um diferencial diante do cenário adverso da economia”, diz a entidade. Entre os destaques da carteira estão dois fundos internos geridos pela equipe de investimentos da Petros e que, juntos, somam cerca de R$ 6,2 bilhões de patrimônio, representando mais de 5% dos ativos totais da fundação.

 

Viva Previdência elege novos membros para o Conselho Fiscal – O Conselho Fiscal da Fundação Viva Previdência tem dois novos conselheiros eleitos pelos participantes dos planos administrados pela fundação. O titular é Antonio da Paz Carneiro e sua suplente é Keila Martins Barbosa. Ambos são participantes do plano Viva Empresarial e graduados em contabilidade.

A posse dos novos conselheiros ocorreu nesta terça-feira, 15 de dezembro, e o mandato vai até 2023. “Nosso modelo de governança é singular e todos os membros dos Conselhos da Viva são indicados por meio de eleições, prevalecendo sempre a vontade do voto do participante”, diz Silas Devai Júnior, Diretor Presidente da entidade.

 

Pesquisa de Satisfação do Sebrae Previdência destaca segurança dos participantes – Cerca de 1/3 dos participantes do Sebrae Previdência citaram a palavra “segurança” como principal sinônimo para a entidade na 5ª edição da Pesquisa de Satisfação, realizada entre outubro e novembro de 2020. Em segundo lugar aparece a palavra “futuro”. Os termos também foram os principais sinônimos citados pelos dirigentes de patrocinadoras e instituidoras.

A amostra da pesquisa foi composta por sorteios sequenciais para o preenchimento de cotas proporcionais à composição do universo. Os participantes sorteados para responder ao estudo receberam um e-mail com convite e link para o questionário online, cuja primeira seção nesta edição também teve a necessidade de leitura inicial e concordância explícita, pelo participante, com um Termo de Consentimento para Tratamento de Dados – uma nova exigência em função da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Os resultados indicam que participantes, assistidos, gestores e dirigentes aprovaram o esforço realizado pela entidade ao longo dos últimos anos (incluindo o difícil período de pandemia) para continuar comunicando, atendendo aos participantes, administrando e gerindo os recursos dos participantes de maneira eficiente.

A pesquisa aponta que 97,3% dos participantes do Plano SebraePrev e 99,2% do Plano Valor Previdência deram a sua aprovação geral ao Sebrae Previdência, com notas de 7 a 10. Na questão que avalia o grau de recomendação, em que se utilizou a metodologia NPS (Net Promoter Score), esse índice alcançou classificações “muito bom” no Plano SebraePrev e “excelente” no Plano Valor Previdência. Na avaliação geral sobre cada plano de benefícios, o grau de aprovação foi de 94,2% dos participantes do Plano SebraePrev e 93,5% dos participantes do Plano Valor Previdência.

Acesse aqui os demais resultados da Pesquisa de Satisfação do Sebrae Previdência.

Petros fortalece transparência em adequação à Resolução nº 32

Petros implementa Política de Privacidade em adequação à LGPD

A Petros está realizando um amplo trabalho para atendimento à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), colocando em prática grande parte do plano de adequação à nova legislação com o objetivo de fortalecer a segurança da informação e a governança da entidade. Para normatizar esse processo, a fundação passou a contar com uma Política de Privacidade, que reúne os princípios fundamentais de proteção de dados pessoais na Petros.

Além da Política, outras medidas foram implementadas pela entidade, como o aperfeiçoamento das práticas de gestão e tratamento de dados dos diferentes públicos com os quais a fundação se relaciona e controles de proteção de dados associados às atividades, com barreiras para mitigar a exposição a riscos. Segundo o Diretor de Riscos, Administração e Finanças da Petros, Leonardo Moraes, desde 2018, antes mesmo da LGPD, a Petros implementou um amplo Programa de Segurança da Informação, que reúne processos, estratégias e diretrizes que visam garantir a proteção e a disponibilidade das informações corporativas, alinhado às boas práticas e normas de segurança.

Desde então, a fundação vem atuando na identificação de riscos e no aumento do nível de conscientização sobre o tema, bem como no aprimoramento e implementação de novas ferramentas, recursos e soluções tecnológicas e de infraestrutura para a segurança da informação e proteção de dados. “Essa base construída na Petros foi fundamental para os trabalhos de adequação à LGPD. Temos uma equipe dedicada à governança e à segurança da informação, que implementou um plano de adequação à lei, que se desdobra em uma série de iniciativas para mitigar a exposição a riscos e aperfeiçoar as práticas de gestão e o tratamento de dados dos nossos participantes”, diz Leonardo Moraes em entrevista ao Blog Abrapp em Foco.

Processos de adequação – Moraes conta que o trabalho de adequação à LGPD na Petros consistiu no mapeamento dos fluxos de tratamento dos dados pessoais, abrangendo todas as fases de uso dos dados, desde acesso, compartilhamento, coleta, armazenamento, até a consulta. Depois, foi feito um diagnóstico e avaliação do nível de maturidade da fundação em relação à LGPD. A partir daí, foram definidos os gaps entre os processos da Petros e o que a Lei exige, sendo traçados, assim, os planos de adequação. “Também elaboramos novos normativos e materiais regulatórios voltados à privacidade e à proteção de dados. Além disso, priorizamos ações de conscientização da nossa força de trabalho sobre a LGPD, fortalecendo a cultura de segurança da informação entre os empregados”, destaca.

Na fase inicial do projeto, a Petros contou com o apoio de uma consultoria externa. Além disso, ainda em 2019, foi constituído um grupo de trabalho formado por diferentes áreas de negócio, contribuindo para fomentar a discussão sobre os principais impactos voltados para a adequação à LGPD. “Contamos com um Encarregado de Proteção de Dados Pessoais (DPO), que é o ponto focal para os titulares dos dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais (ANPD), responsável pela fiscalização e regulação da LGPD. O profissional Leonardo Augusto Cavalcanti Lebarbenchon é responsável por informar, aconselhar e monitorar a conformidade da empresa quanto à proteção e à privacidade de dados pessoais, sendo uma ponte entre a empresa, a ANPD e os titulares dos dados”, diz Moraes.

Ele reitera que o projeto de adequação à LGPD está sendo liderado pela área de governança e segurança da informação, alocada na Gerência de Tecnologia da Informação, que vem atuando em parceria com o DPO e diferentes áreas de negócio, com apoio da alta direção da Petros.

Política de Privacidade – Na Política de Privacidade elaborada pela Petros estão definidas as formas de coleta e tratamento das informações de participantes, assistidos, dependentes, empregados, terceirizados, prestadores de serviço e outras partes interessadas, identificados como titular do dado, descrevendo os tipos de informações pessoais que são obtidas e como são gerenciadas e arquivadas. “A jornada da LGPD tem perseguido esses esforços para elevar o nível de maturidade, especificamente no tratamento e proteção de dados pessoais”, diz Moraes.

Segundo ele, os resultados desse processo de adequação também estão na implementação de controles e soluções de tecnologia, infraestrutura e gestão da segurança da informação da Petros, bem como em normativos, documentos regulatórios e instruções voltados ao tema da proteção e privacidade de dados pessoais, além da revisão de modelos de contratos, de fluxos de tratamento e compartilhamento de dados, buscando as medidas de segurança aplicáveis a cada situação. “A segurança da informação, não somente para dados pessoais, como para todas as informações corporativas, é um trabalho contínuo e perene”, destaca.

Próximos passos – Para 2021, a Petros vai evoluir com o tema privacidade e proteção de dados, reforçando as iniciativas iniciadas este ano, conforme explica Leonardo Moraes. “Vamos prover que os direitos dos titulares de dados, os requisitos da LGPD e futuros direcionamentos da ANPD sejam atendidos pela Petros de forma eficiente e transparente, aderentes às boas práticas de segurança da informação. Esperamos também prosseguir com as estratégias do Programa de Segurança da Informação, consolidando as iniciativas da área de Tecnologia da Informação, com objetivo de assegurar a proteção e mitigação de riscos ao nosso ambiente, às atividades e às informações, sendo um dos recursos mais relevantes da Petros”.

Newsletter Abrapp em Foco

Cadastre-se e fique por dentro de tudo que acontece no Grupo Abrapp e em sintonia com os fatos mais relevantes do setor.