Escolha uma Página
Entrevista: Fapes acumula experiência em private equity e continua olhando para o setor

Entrevista: Fapes acumula experiência em private equity e continua olhando para o setor

Há cinco anos atuando como gerente das carteiras de ativos ilíquidos da Fapes, César Avidos (foto acima), acumula experiência com a análise e monitoramento dos fundos de investimentos em participações (FIPs) e investimentos em private equity em geral. O gestor comenta, em entrevista exclusiva ao Blog Abrapp em Foco, a experiência e os avanços obtidos pela fundação na gestão dessa classe de ativos que incluem também os investimentos florestais e infraestrutura.

“O mais importante na seleção de um gestor é escolher um que tenha um track record consolidado. Temos de buscar referências, ver quem já está investindo no fundo. Tudo isso ajuda a minimizar os riscos”, comenta César Avidos. 

A Fapes tem participado do Comitê de Investimentos da Abvcap – Associação Brasileira de Venture Capital e Private Equity – onde tem aproveitado para promover uma intensa troca de experiências com outras fundações e participantes do mercado (leia mais). Nesta entrevista, participou também Luiz Barbosa Medeiros, Responsável pelos Investimentos em Private Equity da Fapes. Leia a seguir na íntegra:

Blog Abrapp em Foco – Poderia comentar como a Fapes vem trabalhando com a carteira de private equity?

César Avidos – Considerando os ativos de private equity, venture capital e florestais, podemos dizer que consolidamos na Fapes uma metodologia de análise e monitoramento dessa classe. Hoje podemos dizer que construímos uma equipe com um processo de análise bem estruturados.

Blog Abrapp – O que considera mais importante neste trabalho de análise?

César Avidos – Não tem sido fácil. A classe de private equity tem recebido muitas críticas nos últimos anos. Por isso mesmo, vemos a necessidade de avançar com a capacitação de equipe e definição de uma metodologia. Temos participado de comitês da Abvcap. Também temos conversado com gestores, para quando chegarem as propostas, tomarmos as decisões corretas.

Blog Abrapp – Qual o tamanho da carteira de private equity da Fapes?

César Avidos – Atualmente temos cerca de 3,5% do patrimônio da Fapes alocados em private equity. Isso representa uma carteira de R$ 450 milhões. Nos últimos três anos, realizamos cinco novos investimentos nesta classe. Foram 2 fundos de empresas médias em crescimento, também chamados de middle market, um fundo de de fundos, um florestal e um de infraestrutura. Com os fundos atuais temos compromissos de alocar mais R$ 200 milhões até 2025.

Blog Abrapp – A Fapes continua olhando para novos investimentos nesta classe?

César Avidos – Com a queda dos juros, todos os investidores institucionais precisam buscar alocações de maior risco e maior diversificação. Nós como investidores de longo prazo, temos condições de manter um radar mais abrangente para buscar retornos mais atrativos. Por isso, estamos olhando para ativos de private equity primários, investimentos florestais e fundos de fundos.

Blog Abrapp – Poderia comentar a participação no Comitê de Investidores da Abvcap?

Luiz Medeiros, FapesLuiz Medeiros (foto ao lado) – Tem sido muito importante nossa participação no Comitê de Investidores da Abvcap. Neste âmbito discutimos os principais temas da indústria. Cada participante traz a sua experiência e percepção do mercado. A participação no comitê agora está crescendo. Ficou muito tempo com a participação apenas de grandes fundações e do BNDES. Agora os participantes estão se diversificando. Vemos a entrada de pequenas e médias fundações. Todo mês aparecem instituições diferentes para participar do comitê. 

Blog Abrapp – Quais os benefícios mais importantes da participação nesse comitê?

Luiz Medeiros – É fundamental buscar um melhor maior entendimento do arcabouço regulatório do setor. Para isso, é importante promover a troca de informações para avançar no processo de seleção e monitoramento de gestores.

Blog Abrapp – Como avalia a situação atual do mercado de private equity no Brasil?

Luiz Medeiros – Quando ingressei neste mercado, a quantidade de gestores era muito menor. Havia poucas opções ainda não provadas. Hoje temos maior quantidade de gestores mais experimentados. Temos um cardápio maior. O mercado está em melhores condições. Hoje temos maior diversidade de opções para escolher produtos de melhor qualidade.

Blog Abrapp – O que é mais importante na seleção de um gestor e de um fundo de investimentos em participações?

César Avidos – É uma classe em que as características qualitativas são mais importantes que as quantitativas. São investimentos que duram em média 8 anos. É diferente de um fundo de ações. Os private equity não possuem liquidez. Se errarem nos primeiros passos, depois é difícil corrigir. O mais importante na seleção de um gestor é escolher um que tenha um track record consolidado. Temos de buscar referências, ver quem já está investindo no fundo. Tudo isso ajuda a minimizar os riscos. Algumas fundações, como a Fapes e algumas outras, já acumulam bastante experiência e podem compartilhar com outras. 

Blog Abrapp – Quais recomendações poderia transmitir para outras fundações? 

César Avidos – As fundações estão entendendo cada vez melhor essa classe de ativos. Temos pessoal mais capacitado. É muito importante continuar com a capacitação. O mais importante é encontrar as pessoas certas para a análise correta e tomada de decisões. 

Aumenta o interesse das fundações em investimentos de Private Equity

Aumenta o interesse das fundações em investimentos de Private Equity

Com a queda das taxas de juros e a necessidade de buscar maior diversificação nas carteiras, o interesse das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) em analisar e investir em ativos de Private Equity (PE) está se ampliando. Um dos indicadores desse interesse crescente é a participação no Comitê de Investidores da Abvcap (Associação Brasileira de Venture Capital e Private Equity) que conta com a presença de uma dúzia de fundações. São elas: Petros, Fapes, Previ. Celos, Funcef, Elos, Promon, Fundação Copel, Previ Ericsson, Fundação Itaipu, Economus e Fachesf.

Até há 3 anos, apenas as grandes fundações e o BNDES participavam regularmente desse âmbito. Desde o ano passado e principalmente em 2020, a participação de entidades de menores portes tem sido algo cada vez mais frequente. “Discutimos as boas práticas no processo de investimento em Private Equity, alinhamos as expectativas, falamos sobre as motivações de cada fundação relacionadas ao cenário atual, entre outros assuntos”, diz Arlete Nese (foto acima), Sócia da ON Valor consultoria e representante da Abrapp no Comitê de Investidores da Abvcap.

Ela reforça a percepção que a quedas das taxas de juros tem incentivado o aumento do interesse em conhecer e buscar maior qualificação das equipes de entidades fechadas de todos os tamanhos. Arlete comenta que as fundações acumularam muita experiência e aprendizado nos últimos anos e estão preparadas para ampliar a participação no segmento. Mas para isso, é importante buscar qualificação adequada e troca de experiências. Neste sentido, o âmbito da Abvcap cumpre um papel importante.

Luiz Barbosa Medeiros, Responsável pelos Investimentos em Private Equity da Fapes e membro do Comitê da Abvcap lembra que no início participavam apenas as grandes fundações desse âmbito. “Agora, todos os meses aparecem novas instituições, sejam fundações menores, fundos de fundos ou gestores internacionais”, comenta. O profissional diz que o Comitê tem grande importância para promover a troca de experiências quanto aos principais temas da indústria relacionados aos investimentos, gestores e arcabouço jurídico.

Ele afirma que a indústria de PE tem vivenciado forte desenvolvimento recente e que atualmente há maior quantidade de gestores, com teses mais experimentadas e cardápio maior. “Hoje temos melhores condições na indústria. Antes eram poucos gestores com opções não provadas”, diz Medeiros.

César Avidos, Gerente Executivo de Ativos Ilíquidos da Fapes diz que a entidade promoveu a consolidação de experiência com Private Equity nos últimos 3 anos, com grande avanço no aprendizado e qualificação da equipe. “Hoje contamos com um processo de análise bem estruturado e uma equipe altamente qualificada”, comenta o gerente. (leia mais em matéria sobre a Fapes que será publicada nos próximos dias).

Abrapp e Abvcap – José Carlos Lakoski, Diretor Financeiro da Fundação Copel, também considera que o Comitê de Investidores da Abvcap é um âmbito muito propício para permitir o intercâmbio de informações e experiências entre investidores, fundações e gestores. Neste momento de maior interesse das EFPC por investimentos estruturados, associações como a Abvcap e também a Abrapp cumprem um papel fundamental para o nivelamento de experiências e busca de maior capacitação dos profissionais. Ele inclui também o envolvimento da Previc e de suas áreas de fiscalização como outro ponto importante para incentivar uma postura adequada para o avanço dos investimentos em Private Equity pelas entidades.

“É muito importante promover a aproximação entre Previc, Abrapp e Abvcap nesta questão dos estruturados. Temos de realizar um trabalho forte junto aos órgãos de fiscalização e regulação para que todos possam compreender melhor as características dessa classe de ativos”, comenta Lakoski.

O Diretor da Fundação Copel lembra que desde o primeiro movimento de queda dos juros em 2012 e 2013, a entidade começou a trabalhar com uma perspectiva de juros decrescentes no médio e longo prazo. Foi então que se definiu um programa para investimentos estruturados em 2013. “O programa é uma importante ferramenta para entender como os estruturados podem agregar valor e diversificação à gestão de portfólio. Tivemos de estudar e qualificar profissionais”, diz.

Desde então, a entidade tem procurado montar uma carteira de fundos de participações (FIPs) com a diversificação de safras, gestores, ciclos econômicos e ativos estratégicos. “Não adotamos uma visão oportunística em relação aos ativos ilíquidos. Com essa classe, é necessário adotar uma visão de longo prazo”, conta Lakoski. Todo ano, a Fundação Copel trabalha com um target de aproximadamente R$ 110 milhões em novos investimentos em private Equity, tanto em fundos primários quanto secundários (fundo de fundos).

Hoje a entidade conta com 14 FIPs de 9 gestores diferentes. Tem atualmente R$ 300 milhões em ativos integralizados e R$ 473 milhões em compromissos, o que representa 4% do patrimônio. “Queremos chegar a 6% daqui a dois anos. Ainda temos espaço para crescer”, comenta. A carteira de FIPs da entidade registrou retorno de 23,20% no período de 12 meses encerrado em junho de 2020.

Alocação e monitoramento – Para quem deseja investir no segmento, Arlete Nese ressalta a importância de realização de um estudo de alocação estratégica em investimentos estruturados, com a utilização de métricas e fundamentos para balizar a política de investimentos. A consultora alerta para a necessidade de avaliar não apenas o processo de seleção, mas também o monitoramento de gestores.

Segundo seus estudos, a alocação em um nível abaixo de 5% do patrimônio de uma entidade não é vantajosa, pois gera muito trabalho e o custo acaba não compensando. Já um limite acima de 10%, pode gerar um problema de risco acima do nível adequado.

Seminário – Organizado pela Abrapp, o 9º Seminário Gestão de Investimentos traz uma programação abrangente com a participação de consultores, especialistas de assets, dirigentes de fundações e representantes da Previc. O evento ocorre entre os dias 15 e 16 de outubro. Um dos painéis será dedicado ao tema do Crédito Privado e Investimento Estruturado. Veja programação completa e inscrições.

Newsletter Abrapp em Foco

Cadastre-se e fique por dentro de tudo que acontece no Grupo Abrapp e em sintonia com os fatos mais relevantes do setor.